Economia




Senhor dos números


Com clientes em todo o Brasil, a Rissi Contabilidade Médica é formada por um time de 153 colaboradores. Durante a pandemia, o negócio cresceu entre 30% e 40%, em número de novos clientes. Hoje, são 7 mil médicos atendidos pela empresa, que oferece atendimento estendido, das 6 da manhã à meia-noite, todos os dias. A sede fica em Rio Preto, mas a empresa já conta com escritórios em São Paulo e Belo Horizonte. O plano para 2022 é abrir unidades em Brasília e Rio de Janeiro. Outras capitais e cidades em regiões metropolitanas também estão no radar da expansão.

Os números atuais revelam uma história de sucesso, cujo início bem antes, quando o fundador da empresa, José Eduardo Rissi, ainda era adolescente. Aos 16 anos, Rissi iniciou sua trajetória profissional atuando como office boy, em um escritório contábil em Cedral. A paixão pelos números fez com que cursasse contabilidade na faculdade e, passados 15 anos, já com experiência em grandes empresas, decidiu abrir seu próprio escritório. 

O negócio começou modesto, mas foi crescendo rapidamente. “Abri uma salinha em cima de uma pizzaria. Eu não tinha nenhum cliente, foi na cara e na coragem. O engraçado é que eu tenho até hoje a listinha de tudo o que, na época, eu iria precisar para montar o escritório e também fiz uma relação de clientes em potencial. Amigos meus amigos que poderiam se tornar clientes. Hoje, apenas um deles é meu cliente”, relembra.

O primeiro cliente médico (área na qual mais tarde o escritório se especializaria e que hoje é seu principal diferencial) foi responsável pela guinada do negócio. A sacada de Rissi foi identificar os pontos de dor de seus clientes e realizar uma abordagem consultiva, oferecendo soluções personalizadas para resolver os mais variados problemas que surgem nos meandros da atividade médica. A estratégia deu tão certo que, após dois anos de atividade, o nome da empresa mudou para Rissi Contabilidade Médica.

“Em Rio Preto, havia só uma empresa de contabilidade especializada na área médica. Caiu no meu colo quando veio o primeiro cliente médico, que não contava com um atendimento especializado. Em 2011, quando eu comecei, o mercado estava deixando de contratar médicos em regime CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), e eles tinham de abrir empresa para atuarem como PJ (Pessoa Jurídica). Eu vi a dor desse cliente. E alguns amigos dele tinham a mesma dor. Foquei nessa área para oferecer as soluções que eles não tinham”, conta Rissi. 

O empresário afirma que, tecnicamente, o serviço oferecido por ele não apresenta diferenças de outros escritórios contábeis. “O que a gente tem de diferencial, que eu busquei lá atrás, é o jeito de tratar. É entender a dor do médico e criar um atendimento personalizado para ele”.

O curioso é que, no início, quando passou a atuar com foco no atendimento para médicos, 100% dos clientes eram profissionais de outras cidades, contrariando o que, na época, era o habitual: o profissional contratar um escritório da sua própria cidade. 

“Meu início foi em Américo Brasiliense, região de Araraquara, Ribeirão Preto. Depois foi a região de Jundiaí e Campinas. Lembro que eu ia fazer reuniões com possíveis clientes e chamava meu pai para me acompanhar e ele dizia: ‘Mas já é seu cliente? Compensa o combustível do carro até lá. Claro que às vezes não fechava o negócio. Mas quando se tornava cliente, aquele médico passava a ser atendido com rapidez. O que para a vida corrida que eles levam, é algo importante. Então acontecia o tal ‘boca a boca’, trazendo novos clientes para o escritório”. 

Contrariando os conselhos do pai, José Eduardo Rissi arriscou e, a partir de 2014, o negócio cresceu exponencialmente. “Quando decidi deixar meu emprego e abrir meu escritório, era o momento que eu tinha para arriscar: não era casado, não tinha filhos. Com o escritório já engatilhado, eu lembro de fazer contas e pensar que com 100 clientes teríamos uma situação financeira estável. Hoje, o que vejo é que estamos sempre à frente de escritórios tradicionais. Por exemplo, estamos vivendo a Reforma Tributária. Estamos focando nessas mudanças, mas voltados exclusivamente para médicos. Isso nos faz sair na frente”, acredita.

Para trabalhar na Rissi, que figura no ranking Great Place to Work (GPTW), das melhores empresas para se trabalhar, o colaborador precisa ter uma vontade de crescimento profissional e comprometimento com a entrega. 

“O perfil dos nossos colaboradores é de profissionais jovens e que colocam o sangue na empresa. No nível em que chegamos, estamos aptos a oferecer treinamentos e preparar bem esse profissional. Mesmo quem não é da área ou que está iniciando a vida profissional é possível trabalhar de acordo com a nossa cultura”, argumenta.

Assessoria e relatórios
Entre os diferenciais da Rissi Contabilidade Médica está o estudo e planejamento tributários para o próximo ano, com o reenquadramento tributário quando necessário, além da regularidade fiscal com acompanhamento mensal de pagamento de impostos - trimestralmente, a Rissi envia um relatório orientando o que precisa ser pago – além da declaração de Imposto de Renda. E o que hoje passou a ser realizado também por outros escritórios, a Rissi foi pioneira: o serviço de assessoria no início do trabalho do profissional junto às entidades contratadas, com emissão de nota para o médico e cadastro para realização de atendimento.

Números
7 mil médicos são atendidos no Brasil pela Rissi, que possui sede em Rio Preto e já tem escritórios em São Paulo e Belo Horizonte

Foto: Elton Rodrigues




Últimas Notícias sobre Economia

Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites

Categorias

As + Lidas

  1. Super Muffato Damha será um investimento de mais de R$ 45 milhões
  2. Postos de combustíveis estão abastecendo apenas com declaração de atividade essencial ou de servidor público
  3. Comércio e serviços poderão abrir seis horas por dia de quarta a sábado apenas
  4. Prefeitura divulga regras para reabertura de restaurantes, salões de beleza e academias
  5. Região do bairro São Francisco lidera o ranking de Rio Preto
Ir ao Topo