Saúde




Conselho Regional de Farmácia de São Paulo aponta desabastecimento de medicamentos em hospitais no Estado


São José do Rio Preto, 18 de março de 2021 - Relatório do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, CRF-SP, divulgado nesta quinta-feira, 18/03, com base em respostas de farmacêuticos atuantes na área hospitalar em todo o Estado, apontou que de acordo há problemas de desabastecimento de medicamentos em 77% dos locais de trabalho no Estado, já 53% destacaram a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) e 44% a falta de produtos para a saúde.

Os dados foram apresentados pela diretoria do CRF-SP em uma videoconferência com a Coordenadoria de Assistência Farmacêutica do Estado de São Paulo, órgão ligado à Secretaria Estadual da Saúde, com o objetivo de manifestar a preocupação do CRF-SP com a possibilidade de desabastecimento de medicamentos administrados em pacientes internados em hospitais paulistas para o tratamento da covid-19.

O presidente do CRF-SP, Dr. Marcos Machado, reitera que o CRF-SP está à disposição para auxiliar e evitar que a situação se agrave. “Nós, como entidade de classe, nos preocupamos com essa situação. Então, nos antecipamos para saber como podemos colaborar de forma efetiva”.

A questão será levada a todas as esferas governamentais, conforme destaca o vice-presidente do CRF-SP, Dr. Marcelo Polacow, pois quem mais sofre com essa situação são os profissionais da saúde que estão na linha de frente e a população, acima de tudo. “Não será por falta de planejamento e preocupação que vamos vivenciar em São Paulo o que aconteceu no Estado do Amazonas, por exemplo. A História irá mostrar que fizemos a nossa parte”.

Levantamento
Para a elaboração do relatório, as respostas ao questionário que contou com 29 perguntas,  foram recebidas entre os dias 06/02/21 a 03/03/21 e apontaram entre os principais motivos para o desabastecimento, a escassez de mercado, alta demanda não esperada e preço impraticável.

Do total de respostas, 44% dos farmacêuticos atuam em hospitais particulares, 18,4% em públicos (parceria privada ou terceirização), 17,1% em filantrópicos, 16,24% em públicos (administração direta) e os demais se dividem em beneficente, misto, autarquia estadual e outros.

Nos 103 estabelecimentos privados, 77 sofrem com o desabastecimento de medicamentos, 29 sofrem com a falta de EPIs e 27 sofrem com a falta de produtos para a saúde. Entre os 43 públicos por parceria direta ou terceirização, 32 sofrem com o desabastecimento de medicamentos, 8 com a falta de EPIs, 9 com a falta de produtos para a saúde e 1 com a falta de oxigênio medicinal.

Entre os medicamentos apontados, os sedativos (midazolam, fentanil e propofol) e os neurobloqueadores musculares (atracúrio, rocurônio, cisatracúrio) foram os mais citados entre todos os segmentos, além de heparina e escopolamina com dipirona. Em relação aos EPIs, as luvas foram os mais citados em todos os segmentos, porém, as máscaras e os aventais foram citados por vários profissionais. Entre os produtos para a saúde, a mais citada foi a seringa, seguida por cateter e sonda.




Últimas Notícias sobre Saúde

Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites

Categorias

As + Lidas

  1. Super Muffato Damha será um investimento de mais de R$ 45 milhões
  2. Postos de combustíveis estão abastecendo apenas com declaração de atividade essencial ou de servidor público
  3. Comércio e serviços poderão abrir seis horas por dia de quarta a sábado apenas
  4. Prefeitura divulga regras para reabertura de restaurantes, salões de beleza e academias
  5. Região do bairro São Francisco lidera o ranking de Rio Preto
Ir ao Topo