Mercado




Com o pé no acelerador


Cinco anos em um. Foi assim, com o pé no acelerador, que a MoveEdu enfrentou as incertezas que a pandemia do novo coronavírus trouxe. A estratégia do maior grupo de franquias de educação profissional do mundo foi adiantar seu planejamento dos próximos anos e fazer tudo acontecer em 2020.

“Durante esse período, trouxemos a linha do tempo para mais próximo. O que a gente ia fazer de três a cinco anos, fizemos em um. E pagamos um preço por isso”, conta Rogério Gabriel, presidente do grupo.

Com a antecipação dos planos, investimento que seriam diluídos nos próximos três a cinco anos tiveram de ser antecipados para 2020. No entanto, ele espera que o retorno seja rápido da mesma forma. “Vamos crescer exponencialmente. A gente trouxe tudo isso para agora para poder funcionar. E o ecossistema reagiu de forma muito proativa.”

Ter a inovação e a tecnologia já como bases do negócio contribuiu. Especialmente no setor onde o grupo atua, o de educação. Enquanto escolas tiveram de correr atrás do prejuízo e descobrir uma forma de manter o ensino para seus alunos, a MoveEdu precisou apenas se adaptar para entregar esse conteúdo onde o aluno estivesse, já que, mesmo antes da pandemia, no ensino presencial, ele sempre foi digital.

No entanto, uma série de questões precisaram ser respondidas em um primeiro momento. “Para a nossa entrega, para o nosso aluno, também é uma quebra de paradigma muito forte. Esse aluno tem acesso ou não tem? Ele quer ou não quer? Como é que ele reage a isso? Então, teve um impacto forte. Fomos para a pista descobrir ao vivo como é que era, pagando o preço também disso.”

Como a MoveEdu tem atuação em todo o território nacional, as diferentes realidades de cada um dos alunos impõem diferentes abordagens. “Alguns alunos não têm um ambiente em casa propício para o estudo. Outros não têm uma internet boa. Muitos não têm computador, só celular. Então, precisamos entender os alunos que estão dentro de uma mesma unidade, mas com diferentes necessidades. E tivemos de ter a capacidade de fazer essa entrega a eles.”

Essas são questões que acabaram permeando todo o segmento de educação no Brasil durante 2020. Fatores como classe social e faixa etária se mostraram determinantes na forma como cada aluno encarou as mudanças e quais são suas preferências para a educação. “A gente testou isso com milhares de alunos e foi aprendendo muito rapidamente como é que a gente se posicionava com essa história”, recorda Gabriel.

A conclusão foi que, apesar da individualidade de cada aluno, um mundo híbrido deve ser a base para o futuro.

“Na educação, a gente quer relacionamento, quer estar perto das pessoas. O ser humano nasceu para viver em comunidade e, dentro de uma comunidade, você consegue se relacionar, compete, tem parâmetros, aprende com o grupo. Mas têm coisas também que não exigem a presença física para se fazer. Reuniões, aulas expositivas, 2020 nos comprovou que é possível fazer à distância. O mundo híbrido é o que todo mundo quer”, explica.

Apoio aos franqueados
Uma das funções de uma franqueadora é ser a rede de apoio para seus franqueados. Ela fornece os meios para que a marca prospere tanto do ponto de vista financeiro quanto operacional. Durante a pandemia, a MoveEdu tem assumido ainda mais esse papel.
“A gente trouxe esse impacto maior para a franqueadora, dando diversos descontos para a nossa rede, para impactar menos nosso franqueado.”

De lojas a escolas profissionalizantes
Rogério Gabriel tem experiência no que diz respeito a enfrentar situações imprevistas. O empreendedorismo faz parte da história da sua família, e as dificuldades que essa atividade impõem também.

Seu primeiro negócio foi a Precisão Informática, uma varejista já no setor de tecnologia. Com ela, Gabriel chegou a ficar entre as 100 maiores e melhores empresas do segmento. A chegada de grandes varejistas, no entanto, fez com que seu negócio quebrasse.
 
“O produto virou commodity, teve o início do e-commerce também, e esse negócio perdeu valor agregado. A gente foi perdendo margem e volume de vendas. Tive que fechar lojas, mas a gente tinha bons pontos, boas lojas e um bom time. Então, fomos transformando essas lojas em escolas. Aí começou a nossa jornada na área da educação”, recorda.

E a escolha pela educação, para Gabriel, foi um caminho natural. Ele já prestava serviço para os clientes informatizando e capacitando pequenas, médias e grandes empresas. Assim, viu nesse mercado uma oportunidade. "Todos nós, na hora de contar nossa história, temos na educação um degrau importante de transformação. E a gente pode ser o provedor disso."

Hoje, a MoveEdu possui oito marcas: Prepara Cursos, Microlins, S.O.S. Tecnologia e Educação, People, Ensina Mais, Pingu’s English School, English Talk e ITB (Instituto Tecnológico Brasileiro). São mais de mil unidades em todo o país, que já impactaram mais de 10 milhões de pessoas.

Foto: Rogério Gabriel/MoveEdu




Últimas Notícias sobre Mercado

Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites

Categorias

As + Lidas

  1. Super Muffato Damha será um investimento de mais de R$ 45 milhões
  2. Postos de combustíveis estão abastecendo apenas com declaração de atividade essencial ou de servidor público
  3. Comércio e serviços poderão abrir seis horas por dia de quarta a sábado apenas
  4. Prefeitura divulga regras para reabertura de restaurantes, salões de beleza e academias
  5. Região do bairro São Francisco lidera o ranking de Rio Preto
Ir ao Topo